Cruz de Malta condecora Rodolfo Mesquita

Presidente da Junta recebe medalha de 1ª Classe da Cruz de Malta

O Conselho de Direção da Associação Humanitária da Cruz de Malta em Portugal decidiu, aprovado pela Assembleia Geral, condecorar Rodolfo Mesquita, presidente da Junta de Freguesia de Perafita, Lavra e Santa Cruz do Bispo, pelo acompanhamento e apoio à dimensão nacional da Cruz de Malta, com a disponibilização de um espaço para a criação da Sede Administrativa do Norte, situada na Junta de Freguesia, em Santa Cruz do Bispo.

Rodolfo Mesquita foi esta manhã condecorado com a medalha de 1ª Classe da Cruz de Malta, entregue pelo presidente da Direção Nacional da Cruz de Malta, Tenente-Coronel João Alvelos, acompanhado pelo Capitão Tiago Pacheco e outros membros da Cruz de Malta.

Na cerimónia de condecoração, o Tenente-Coronel João Alvelos reforçou que “queremos com este simples gesto condecorar com a medalha de 1ª Classe da Cruz de Malta, consignado pelo Decreto de Lei 8873, de 30 de maio de 1923, reconhecendo o apoio que o Sr. Presidente, desde o primeiro momento, nos deu com a cedência das instalações.”
O presidente da Direção Nacional da Cruz de Malta reforçou ainda que, “gostaríamos de ter feito esta homenagem no nosso grande evento, o Baile de Gala que decorreu em Lisboa, no passado mês de novembro, onde contamos com a presença da Dra. Manuela Eanes, reitora da Universidade Católica e o Presidente da Manutenção Militar, mas que por motivos de força maior não nos foi possível contar com a sua presença.”

Para Rodolfo Mesquita, “esta condecoração, reforça ainda mais, o empenho que continuaremos a dedicar a esta causa, pois acredito nesta partilha tão importante de conhecimentos e entreajuda. Reforço que estamos aqui para vos ajudar no que for preciso. A condecoração é também para aqueles que estão à minha volta e que trabalham em prol da comunidade.”

A Associação Humanitária da Cruz de Malta foi fundada em 1918 por Cavaleiros da Ordem Soberana e Militar de Malta – o contexto da sua fundação foi em cenário bélico como, por exemplo, o da I Guerra Mundial. Dada a sua vocação assistencialista colaboraram no auxílio às vítimas da epidemia conhecida como “Gripe Espanhola” que vitimizou cerca de 40 milhões de pessoas em todo o Mundo.